Grande Fracassado : Prefeito Bruno Covas errou mais uma vez e volta atras com o “super rodízio absurdo”

Compartilhe com os amigos:

O prefeito Bruno Covas (PSDB) anunciou, na manhã deste domingo (17), a retomada do rodízio tradicional de carros na cidade. A media entra em vigor a partir desta segunda-feira (18).

“Vamos publicar na edição extra do Diário oficial deste domingo a retomada do rodízio tradicional a que estamos acostumados”, afirmou em coletiva de imprensa virtual.

Segundo o prefeito, o rodízio ampliado e mais restritivo, que entrou em vigor na segunda-feira (11), não surtiu o efeito no índice de isolamento da cidade, que se manteve abaixo do esperado pela gestão municipal.

“Não tem sentido a gente exigir esse esforço sobrenatural das pessoas se, do ponto de vista prático, a única razão para qual o rodízio foi feito, que é aumentar o isolamento social, não foi cumprida. Continuamos abaixo dos 50%”, disse Covas.

Na tentativa de aumentar o respeito à quarentena, a Prefeitura de São Paulo endureceu o rodízio de carros. Pela determinação, veículos com placas de final par só poderiam rodar em dias da semana pares, e veículos com final ímpar, nos dias ímpares. A medida valia por toda a cidade, durante as 24 horas do dia, inclusive aos sábados e domingos.

“Houve apenas uma pequena melhora no único índice que temos. Comparando a sexta-feira dia 8 com a sexta-feira dia 15, subimos apenas dois pontos percentuais, passando de 46 para 48, mantendo-se abaixo de 50%”, afirmou o prefeito.

Entretanto, os índices seguem semelhantes aos contabilizados anteriormente, quando o governo já se preocupava com o desrespeito à quarentena na cidade. Na terça-feira, 6 de maio, a taxa registrada foi de 47%, assim como na terça, 12. Nesta sexta (14), na capital, o número sofreu em relação ao dia anterior e chegou a 48%.

O rodízio foi a segunda estratégia da prefeitura para tentar ampliar o índice de isolamento social. A gestão municipal chegou a fazer bloqueios em grandes vias da cidade. A medida foi bastante criticada, pois afetou profissionais de serviços essenciais, principalmente da área da saúde.

Multas

Ainda de acordo com Covas, as multas aplicadas durante os sete dias em que o rodízio restritivo permaneceu em vigor serão mantidas. “Quem foi multado, foi multado.”

Covas também afirmou que os recursos apresentados para liberação durante o período serão avaliados e os prazos só começarão a contar após o término da pandemia.

Antecipação de feriados

O prefeito lamentou que proposta não tenha impactado na elevação de índice de isolamento social, e disse que enviou um projeto de lei à Câmara Municipal propondo a antecipação de feriados municipais.

“Me resta na manga o uso de feriados municipais. Estou enviando para a Câmara o projeto de lei para antecipar os dois últimos feriados municipais de Corpus Christi e Consciência Negra. [Eles] seriam neste ano como pontos facultativos. Vamos manter as datas, mas sem o feriado obrigatório”, afirmou.

O presidente da Câmara, o vereador Eduardo Tuma, também presente na coletiva, disse que o projeto entra em pauta no legislativo municipal já nesta segunda-feira (18). Expectativa do governo é conseguir aprovação até terça (19).

Estatísticas

O estado de São Paulo superou a China em número de mortos por coronavírus neste sábado (15). Com mais 187 óbitos registrados, São Paulo chegou a 4.688 mortos contra 4.637 na China, país onde ocorreu o início da pandemia.

Se fosse um país, o estado de São Paulo seria o 13º com mais mortes, à frente da China, Turquia, Suécia e Índia.

São Paulo tem cerca de 44 milhões de habitantes e a China 1,4 bilhão de pessoas. Se considerarmos a taxa: São Paulo tem 106 mortos por um milhão de habitantes e a China aproximadamente 3,22 mortes por milhão.

Internações

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, passa de 10,1 mil o número de pessoas internadas no estado com suspeitas ou com confirmação da doença, sendo 3.922 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e mais 6.231 em enfermaria.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI reservados para atendimento a COVID-19 é de 68,5% no Estado de São Paulo e 83,9% na Grande São Paulo.