Praias lotam em dia de calor recorde e governo teme 2ª onda do coronavírus

Compartilhe com os amigos:

Praias de cidades do sul da Inglaterra como Bournemouth e Brighton ficaram lotadas nesta quarta-feira (24), dia mais quente do ano no Reino Unido com temperaturas acima dos 30°C.

Embora o número de casos diários do novo coronavírus tenha baixado para patamares semelhantes a março, lideranças da área de saúde do Reino Unido alertaram o governo britânico que as aglomerações criadas pela rápida reabertura podem gerar uma segunda onda da epidemia no país.

Praia lotada em Bournemouth, no sul da Inglaterra, nesta quarta-feira (24) — Foto: Andrew Matthews/PA via AP

Praia lotada em Bournemouth, no sul da Inglaterra, nesta quarta-feira (24) — Foto: Andrew Matthews/PA via AP

Centenas de pessoas lotam praia em Brighton, no sul da Inglaterra, nesta quarta-feira (24) — Foto: Matt Dunham/AP Photo

Centenas de pessoas lotam praia em Brighton, no sul da Inglaterra, nesta quarta-feira (24) — Foto: Matt Dunham/AP Photo

Praia de Margate, na Inglaterra, cheia nesta quarta-feira (24) dia de calor no Reino Unido — Foto: Andrew Couldridge/Reuters

Praia de Margate, na Inglaterra, cheia nesta quarta-feira (24) dia de calor no Reino Unido — Foto: Andrew Couldridge/Reuters

Mesmo com a diminuição de casos, as recomendações como uso de máscara e distanciamento de ao menos dois metros entre as pessoas ainda estão em vigor segundo o governo britânico. Na página oficial de combate à pandemia, as autoridades ainda recomendam que as pessoas permaneçam em casa tanto quanto possível.

Os banhistas, entretanto, ocuparam quase toda a extensão das faixas de areias das principais praias do sul inglês. Além da Covid-19, as autoridades de saúde estão preocupadas com os efeitos do calor na população, especialmente os idosos, que já são grupo de risco para o coronavírus.

Em números absolutos, o Reino Unido foram o país mais atingido pela Covid-19 na Europa ocidental. Até esta quarta, a Universidade Johns Hopkins registrava cerca de 308 mil casos e 43 mil mortes causadas pela doença.

Reabertura no Reino Unido

Placas tentam estabelecer distanciamento mínimo para filas em quiosques de comida e bebida em Brighton, cidade na Inglaterra que ficou com praias lotadas nesta quarta-feira (24) — Foto: Paul Childs/Reuters

Placas tentam estabelecer distanciamento mínimo para filas em quiosques de comida e bebida em Brighton, cidade na Inglaterra que ficou com praias lotadas nesta quarta-feira (24) — Foto: Paul Childs/Reuters

O governo britânico de Boris Johnson planeja reabrir estabelecimentos como pubs, restaurantes e salões de cabeleireiros a partir de 4 de julho. Mesmo assim, as autoridades estipulam regras de distanciamento para evitar uma nova onda de contágios acelerados do novo coronavírus no Reino Unido.

De acordo com reportagem do jornal “The Guardian”, o índice R, que mede a taxa de circulação do vírus, está perto de 1 — e até acima de 1 em algumas partes do Reino Unido. Acima desse valor, a epidemia não pode ser considerada controlada, e medidas de contenção ainda devem vigorar.

Nesta fase da reabertura, ainda não poderão funcionar: academias de ginástica, piscinas, pistas de boliche, danceterias, pistas de boliche e spas.

Em nota publicada na terça-feira, embora tenha adotado tom mais otimista, o governo do Reino Unido afirmou que “não hesitaria” em retomar as medidas mais rígidas de isolamento caso o vírus “comece a sair do controle” no país.