Pai descobre que filho recém-nascido ‘dado como morto’ está vivo antes de ser levado pela funerária

Compartilhe com os amigos:

Na última quarta-feira, 21 de outubro, o mexicano Santiago Albino viu o filho que havia nascido prematuro, com apenas 23 semanas de gravidez, aproximadamente seis meses, ser dado como morto pelos profissionais do hospital. Contudo, para a sua surpresa, quando foi até o necrotério para ver a criança, o pai fez uma descoberta chocante, ele viu que o bebê ainda estava vivo.

Durante uma entrevista concedida a um apresentador local, o pai contou que ele e a mulher chegaram no Hospital Geral da Zona 20 de La Margarita, no município de Puebla, ainda pela madrugada. Por causa da pressão alta da esposa, a equipe médica precisou submeter a gestante a um parto de emergência. Mesmo sabendo que o tempo de gestação da criança ainda era considerado muito prematuro.

Depois que a criança nasceu, um dos médicos chegou a fazer o alerta sobreo risco do bebê não sobreviver, pois era muito novinho para resistir. A mulher deu à luz às 4h21 e as 7h, o pai foi avisado por uma assistente social que o recém-nascido não havia sobrevivido. Ela entregou a certidão de óbito para que Santiago pudesse providenciar o necessário para o velório e enterro. O bebê foi levado para o necrotério e ficou numa geladeira por cerda de seis horas.

O empregado do serviço funerário entrou no local e solicitou a assistente social que o pai pudesse se despedir. Foi nesse momento, quando o pai se aproximou e retirou o lençol que aconteceu a reviravolta: “Ele o viu mexer a mão e me disse para me aproximar… Foi quando vi que a criança estava se mexendo e tinha sinais vitais”, relatou Santiago.

O pai gritou que o filho estava chorando e ainda estava vivo e correu para pedir ajuda de um médico. O momento foi registrado por Albino em um vídeo que acabou viralizando na internet. Na imagem, o bebê surge mexendo e chorando bem baixinho.

Emocionado, o pai clamava a Deus para que cuidasse da criança. Por ser muito prematura e pela falta de cuidado pelo tempo que passou ‘morta’, o recém-nascido ainda corre risco de não sobreviver.