FINALMENTE : Médica que defende uso da cloroquina pode ser a nova ministra da Saúde

Compartilhe com os amigos:

Quem será o novo ministro da Saúde do governo de Jair Bolsonaro? Após demissão de Luiz Henrique Mandetta, em abril, e a saída de Nelson Teich, nesta sexta-feira (15), o posto mais importante do Governo Federal neste momento, devido a pandemia causada pelo novo coronavírus, está vazio. Bolsonaro não se entendeu com os ex-ministros.

A relação entre Mandetta e Bolsonaro começou a ficar ruim, após o início da pandemia. Depois de desgaste público e indiretas dos dois lados, Mandetta acabou demitido pelo presidente da República. A aprovação de Mandetta chegou a ser maior do que a de Bolsonaro. Teich entrou em seguida, mas não durou nem um mês.

Um dos principais motivos para a briga entre Jair Bolsonaro e Teich foi o uso da cloroquina no tratamento aos doentes com a Covid-19. Técnico, Nelson Teich era contra o uso do remédio no tratamento inicial da doença. Bolsonaro quer um protocolo de uso feito pelo Sistema Único da Saúde.

Nos últimos dias, Teich foi surpreendido, durante coletiva de imprensa, que Jair Bolsonaro havia incluído salões de beleza e academias nos serviços essenciais. Tudo isso desgastou a relação. Neste momento, o general Pazuello assumiu como ministro interino.

O nome oficial deve ser anunciado nas próximas horas ou dias. Um dos nomes cotados é o da médica Nise Yamaguchi. Nesta sexta-feira, a infectologista e oncologista esteve no Palácio do Planalto.

Depois de participar de um evento organizado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Logo depois, se dirigiu ao terceiro andar, onde fica o gabinete de Bolsonaro. Nise é favorável à prescrição da hidroxicloroquina contra a Covid-19.