Ex-ministro Mandetta surge com novidade querendo aparecer, mas é criticado por todos os lados

Compartilhe com os amigos:

Ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta comandava a pasta no início da pandemia do novo coronavírus. O médico ortopedista e ex-deputado ficou à frente do Ministério da Saúde até abril, quando foi exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Mandetta e Bolsonaro trocaram farpas em meio ao início da pandemia. O ex-ministro defendia o isolamento social e tinha restrições em relação ao uso da hidroxicloroquina. Bolsonaro, por outro lado, era favorável ao medicamento e contra o isolamento.

Como Bolsonaro é quem manda, ele exonerou Mandetta, que deixou o cargo com aprovação maior do que a do presidente, e nomeou o médico oncologista Nelson Teich como novo ministro. Teich ficou pouco tempo no cargo e, um mês depois, pediu para sair, também por divergências com o presidente da República.

Mandetta anuncia livro sobre período no Ministério da Saúde

O ex-ministro da Saúde usou o Twitter para anunciar o lançamento de seu livro. “Em Um paciente chamado Brasil, Luiz Henrique Mandetta narra a luta para conter a Covid-19 durante sua gestão como ministro da Saúde. Um livro para aqueles querem entender os meandros da atual política brasileira”, diz o texto publicado por Mandetta.

O livro já está disponível na pré-venda. O lançamento oficial acontece no dia 25 de setembro. O ex-ministro foi bastante criticado por bolsonaristas. “E aí, no livro você fala sobre o seu Protocolo da Morte? Fique em casa, só vá para o hospital se estiver com muita falta de ar”, criticou um internauta.

“Tem que escrever a continuação. Sugestão pro título: A História mostrou que Bolsonaro tinha Razão”, postou outra. “Ou ‘O cientificamente errado, a história do Ministro da Saúde que pregava ‘fique em casa até morrer’”, criticou mais um.