Esposa de Dória diz que não se deve dar comida para moradores de rua

Compartilhe com os amigos:

Bia Doria, mulher do governador de São Paulo João Doria (PSDB), declarou em entrevista à socialite Val Marchiori que não se deve doar marmitas para moradores de rua porque “as pessoas gostam de ficar na rua” e elas “têm que se conscientizar e sair dessa situação”.

Gravado no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual, o vídeo da entrevista foi publicado em uma rede social na noite de quinta-feira (2), e se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter nesta sexta-feira (3). Inúmeras instituições divulgaram notas de repúdio sobre a fala da primeira-dama.

Uma pesquisa da Prefeitura de janeiro deste ano revelou que a população de rua cresceu 53% nos últimos quatro anos, chegando a 24 mil pessoas. Bia cita esse número, que diz ser “muito grande”. Ela é presidente do Conselho do Fundo Social de São Paulo e está à frente do Fundo Social de Solidariedade com projetos como Alimento Solidário e Inverno Solidário.

Segundo a Prefeitura, a pandemia de coronavírus já matou 28 sem-teto na capital paulista. Conforme o G1 mostrou, um projeto da Prefeitura para oferecer vagas em hotéis a sem-teto idosos não saiu do papel. As propostas recebidas não atendiam aos requisitos de editais. A terceira convocação pública sequer teve donos de hoteis interessados.

No vídeo, Val e Bia falam que moradores de rua resistem a procurar abrigos porque “não querem ter responsabilidades.”

“Você estava me explicando e eu fiquei passada. Eles não querem sair da rua porque em um abrigo eles têm horário para entrar, eles têm responsabilidades, limpeza, e eles não querem né”, diz Val.

“Não querem”, responde Bia. “A pessoa quer, ela quer receber, ela quer a comida, ela quer roupa, ela quer uma ajuda e não quer ter responsabilidade. Então isso tá muito errado, porque se a gente quer viver num país…”

“É, todo mundo tem suas responsabilidades, todo mundo”, interrompe Val. “Nós temos, se a gente não pagar nossas contas…”, completa Bia.

Durante a conversa, Val reclama de ter de usar máscara e conta que “graças a Deus” já teve Covid-19. Bia diz que, então, ela pode tirar a máscara e só voltar a usar ao sair do local.

“E a Bia Doria está fazendo um trabalho maravilhoso, de consciência mesmo, as pessoas que vivem na rua tentar levar para os abrigos, eu tenho acompanhado aí e esse é o trabalho da primeira-dama, gente, não é só fazer foto não, hello, tem que primeira dama só fica com o cabelinho arrumado? Não, não, a Bia ó, a Bia é mão na massa aqui, a loca. Ai gente, eu detesto falar de máscara, mas enfim”, diz Val.

Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação do governo estadual esclarece que a fala de Bia “foi tirada do contexto” e diz que a intenção dela “é que as pessoas em situação de rua tenham acesso aos abrigos públicos, onde terão alimentação de qualidade dentro das normas de higiene da Vigilância Sanitária, e uma condição de vida mais digna. Ou mesmo nos Restaurantes Bom Prato, que recentemente decretaram gratuidade aos moradores de rua.”

Repúdio

Inúmeras instituições divulgaram notas de repúdio contra a fala de Bia Doria.

A pastoral de rua de São Paulo, representada pelo Padre Júlio Lancellotti, da Arquidiocese de São Paulo, disse que “vê com indignação e perplexidade o vídeo em que a senhora primeira-dama do estado e presidente do Conselho do Fundo Social de São Paulo declara que a população de rua ‘gosta’ de estar na rua e que se acomoda por receber alimentos e roupas.”