Em ato arbitrário , STF quebra sigilo bancário de Carla Zambeli e ela expõe conta com saldo devedor

Compartilhe com os amigos:

A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) afirmou ao blog que a quebra do sigilo bancário dela, determinado por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mostrará que a conta bancária dela está com saldo negativo de R$ 5.860,00.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a quebra dos sigilos bancários de dez deputados e um senador bolsonaristas. São os seguintes:

  • Alê Silva, deputada (PSL-MG)
  • Aline Sleutjes, deputada (PSL-PR)
  • Arolde de Oliveira, senador (PSD-RJ)
  • Bia Kicis, deputada (PSL-DF)
  • Carla Zambelli, deputada (PSL-SP)
  • Caroline de Toni, deputada (PSL-SC)
  • Daniel Silveira, deputado (PSL-RJ)
  • General Girão, deputado (PSL-RN)
  • Guiga Peixoto, deputado (PSL-SP)
  • Junio Amaral, deputado (PSL-MG)
  • Otoni de Paula, deputado (PSC-RJ)

A determinação faz parte do conjunto de medidas adotadas para identificar financiadores de manifestações antidemocráticas que pediam fechamento do Supremo, do Congresso e intervenção militar. Um inquérito aberto no STF pelo ministro Alexandre de Moraes a pedido da Procuradoria Geral da República investiga a organização dessas manifestações.

Na manhã desta terça, por decisão de Moraes, a Polícia Federal começou a cumprir 26 mandados de busca e apreensão contra 21 pessoas, entre as quais empresários, blogueiros, youtubers e um deputado, em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão e Santa Catarina.

A determinação faz parte do conjunto de medidas adotadas para identificar financiadores de manifestações antidemocráticas que pediam fechamento do Supremo, do Congresso e intervenção militar. Um inquérito aberto no STF investiga a organização dessas manifestações.

“Eles não compreendem que haja apoiadores orgânicos; ninguém recebe nada. Eu mesma já gastei o que tinha para alugar carro de som. Ao mesmo tempo, não há como impedir que uma senhorinha apareça lá defendendo o AI-5”, disse a deputada.

Carla Zambeli disse que teve acesso ao processo e que, nas 63 páginas, reproduz posts que ela fez nas redes sociais, além de alguns vídeos. “O que eu posto é naturalmente impulsionado”, disse ela.