Dinheiro jogado fora : Cientistas recebem R$79 milhões para ressuscitar Mamute extinto há 4 mil anos.

Compartilhe com os amigos:

Trazer criaturas extintas de volta à vida é quase que a força vital na ficção científica. Em sua forma mais perigosa, pense em Jurassic Park e seu estábulo de dinossauros.

Os avanços na genética, no entanto, estão tornando a ressurreição de animais perdidos uma possibilidade real.

Os cientistas já clonaram animais em extinção, por exemplo, e podem sequenciar DNA extraído de ossos e carcaças de animais daqueles que deixaram de existir há muito tempo.

Agora, os geneticistas — nome daqueles que se dedicam à genética — liderados pela George Church da Harvard Medical School, pretendem trazer o mamute peludo, que desapareceu há 4.000 anos, de volta à vida.

Os esforços receberam um grande impulso nesta segunda-feira (13) com o anúncio de um investimento de US$ 15 milhões. Com o aporte, os cientistas imaginam um futuro onde o gigante da era do gelo com presas será restaurado ao seu habitat.

Híbrido de elefante-mamute

Os defensores dizem que trazer de volta o mamute em uma forma alterada pode ajudar a restaurar o frágil ecossistema da tundra ártica, combater a crise climática e preservar o ameaçado elefante asiático, a quem o mamute peludo – ou lanoso, como também é chamado – está mais intimamente relacionado. No entanto, é um plano ousado repleto de questões éticas.

O objetivo não é clonar um mamute — o DNA que os cientistas conseguiram extrair do mamute lanoso permanece congelado no permafrost está muito fragmentado e degradado —, mas criar, por meio da engenharia genética, um híbrido de elefante-mamute vivo e ambulante que seria visualmente indistinguível de seu antecessor extinto.

“Nosso objetivo é ter nossos primeiros bezerros nos próximos quatro a seis anos”, disse o empresário de tecnologia Ben Lamm, que com Church fundou a Colossal, uma empresa de biociência e genética para apoiar o projeto.

‘Agora podemos realmente fazer isso’

O novo investimento e foco trazidos por Lamm e seus investidores representam um grande passo à frente, disse Church, o professor Robert Winthrop de Genética da Harvard Medical School.

“Até 2021, foi uma espécie de projeto secundário, francamente. Mas agora podemos realmente fazer isso”, disse Church. “Isso [o dinheiro investido] vai mudar tudo.”

Church tem estado na vanguarda da genômica, incluindo o uso de CRISPR, ferramenta revolucionária de edição de genes descrita como uma reescrita do código da vida para alterar as características das espécies vivas.

Um de seus trabalhos famosos é o de criar porcos cujos órgãos são compatíveis com o corpo humano. O projeto poderá, um dia, fazer que um rim para um paciente que precisa de um transplante venha de um porco.

“Tivemos que fazer muitas mudanças [genéticas]. Até agora foram 42 para torná-los compatíveis com os humanos. E, nesse caso, temos porcos muito saudáveis ​​que estão se reproduzindo e doando órgãos para testes pré-clínicos no Hospital Geral de Massachusetts”, disse ele.

“Com o elefante, é um objetivo diferente, mas é um número semelhante de mudanças.”

Segundo Church, a equipe de pesquisa analisou os genomas de 23 espécies vivas de elefantes e mamutes extintos. Os cientistas acreditam que precisarão programar simultaneamente “mais de 50 mudanças” no código genético do elefante asiático para dar a ele as características necessárias para sobreviver e prosperar no Ártico.

Essas características incluem uma camada de 10 centímetros de gordura isolante, cinco tipos diferentes de cabelo desgrenhado, incluindo alguns que chegam a um metro de comprimento, e orelhas menores que ajudarão o híbrido a tolerar o frio, disse Church.

A equipe também planeja tentar realizar modificações para que o animal não tenha presas, de modo que não seja alvo de caçadores de marfim.

Assim que uma célula com essas e outras características for programada com sucesso, Church planeja usar um útero artificial para passar do embrião ao bebê — algo que leva 22 meses para os elefantes vivos. No entanto, essa tecnologia está longe de ser estabelecida, e Church disse que não descartou o uso de elefantes vivos como substitutos.

“A edição, eu acho, vai correr bem. Temos muita experiência com isso, eu acho, fazer os úteros artificiais não é garantido. É uma das poucas coisas que não é pura engenharia, talvez haja um pouquinho de ciência lá também, o que aumenta sempre a incerteza e o tempo de entrega”, disse ele.

Ceticismo

Love Dalén, professor de genética evolutiva do Centro de Paleogenética de Estocolmo, que trabalha com a evolução dos mamutes, acredita que há valor científico no trabalho realizado por Church e sua equipe, principalmente no que diz respeito à conservação de espécies ameaçadas de extinção que têm doenças genéticas ou uma falta de variação genética como resultado da consanguinidade.

“Se as espécies ameaçadas perderam genes que são importantes para elas … a capacidade de colocá-las de volta nas espécies ameaçadas, isso pode ser muito importante”, disse Dalén, que não está envolvido no projeto.

“Ainda me pergunto qual seria o ponto principal. Em primeiro lugar, você não vai conseguir um mamute. É um elefante peludo com alguns depósitos de gordura.

“Nós, é claro, temos muito poucas pistas sobre quais genes fazem de um mamute um mamute. Nós sabemos um pouco, mas certamente não sabemos nem perto o suficiente.”

Outros dizem que é antiético usar elefantes vivos como substitutos para dar à luz um animal geneticamente modificado. Dalén descreveu mamutes e elefantes asiáticos como tão diferentes quanto humanos e chimpanzés.

“Digamos que funcione e não haja consequências horríveis. Nenhuma mãe de elefante substituta morre”, disse Tori Herridge, bióloga evolucionista e especialista em mamutes do Museu de História Natural de Londres, que não está envolvida no projeto.

“A ideia de que, trazendo mamutes de volta e colocando-os no Ártico, você projeta o Ártico para se tornar um lugar melhor para o armazenamento de carbono. Esse aspecto eu tenho vários problemas.”

Alguns acreditam que, antes de sua extinção, animais de pasto como mamutes, cavalos e bisões mantinham as pastagens na parte norte do nosso planeta e mantinham a terra congelada embaixo, pisoteando a grama, derrubando árvores e compactando neve.

A reintrodução de mamutes e outros mamíferos de grande porte nesses locais ajudará a revitalizar esses ambientes e a desacelerar o degelo do permafrost e a liberação de carbono.

No entanto, tanto Dalén quanto Herridige disseram que não havia evidências para apoiar essa hipótese, e era difícil imaginar manadas de elefantes adaptados ao frio causando qualquer impacto em um ambiente que está lutando contra incêndios selvagens, crivado de lama e aquecendo mais rápido do que em qualquer outro lugar no mundo.

“Não há absolutamente nada que diga que colocar mamutes lá fora terá algum efeito sobre a mudança climática”, disse Dalén.

Em última análise, o objetivo final declarado de rebanhos de mamutes errantes como engenheiros de ecossistema pode não importar, e nem Herridge nem Dalén criticam Church e Lamm por embarcarem no projeto. Muitas pessoas ficarão felizes em pagar para chegar perto de um mamute proxy.

“Talvez seja divertido exibi-los no zoológico. Não tenho grande problema com isso se eles querem colocá-los em um parque em algum lugar e, você sabe, fazer as crianças mais interessadas no passado”, disse Dalén.

Há “pressão zero” para que o projeto gere dinheiro, disse Lamm. Ele está apostando no esforço que resulta em inovações que têm aplicações em biotecnologia e saúde.

Ele comparou a forma como o projeto Apollo fez com que as pessoas se preocupassem com a exploração espacial, mas também resultou em muitas tecnologias incríveis, incluindo GPS.

“Estou absolutamente fascinado por isso. Sinto-me atraído por pessoas que são tecnologicamente aventureiras e é possível que faça uma diferença positiva”, disse Herridge, o especialista em mamutes.