CENSURA : Facebook derruba páginas e perfis de apoio a Jair Bolsonaro

Compartilhe com os amigos:

Um série de contas, páginas, grupos e perfis ligados a Jair Bolsonaro (sem partido) foram desarticuladas pelo Facebook nesta quarta-feira (8).

Entre as contas afetadas estão funcionários do gabinete do presidente da República, do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e outros membros do PSL, antigo partido do presidente.

A justificativa usada pela plataforma para o banimento foi que as páginas promoviam ações proibidas pelo Facebook como: uso de contas falsas, envio de spam ou utilização de artifícios com o objetivo de ampliar a presença online.

No Brasil, é a primeira vez que o Facebook toma uma medida dessas. A plataforma também derrubou outras contas nos Estados Unidos e Ucrânia.

“Apenas atribuímos o que podemos provar. E removemos toda parte da rede. Vimos conexões com o PSL e com funcionários dos gabinetes das pessoas que mencionamos e o envolvimento direto deles”, diz Nathaniel Gleicher, líder de políticas de segurança do Facebook ao UOL.

Apesar do motivo da remoção das páginas ser ações proibidas pela plataforma, o Facebook não revela se tinha ou não conteúdos com fake news.

Confira o que foi desmobilizado pelo Facebook:

  • 35 contas no Facebook
  • 38 contas no Instagram
  • 14 páginas
  • 1 grupo no Facebook

Essa rede possuía:

  • 883 mil seguidores no Facebook
  • 350 inscritos no grupo
  • 917 mil seguidores no Instagram

Para alavancar o alcance do conteúdo, a plataforma identificou que o grupo usou US$ 1,5 mil com anúncios.

“Para mim o que você está dizendo é novidade. A minha conta é verificada. Agora, a conta das pessoas que trabalham conosco a gente não tem acesso. Cada um posta aquilo que quer, aqui não peço para ninguém postar nada, nem para repostar o meu. Sobre eu ter duas contas, não é verdade”, diz o deputado Anderson Moraes, em resposta à reportagem do UOL.

Houve tentativa de contato com Bolsonaro, além dos parlamentares envolvido, mas até o momento desta publicação, a reportagem não obteve retorno.