Cantora Madonna defende o uso da Cloroquina e é censurada pela ditadura do Instagram

Compartilhe com os amigos:

Madonna teve uma de suas postagens notificadas pelo Instagram como conteúdo falso. A plataforma incluiu o banner de “informação falsa” em um vídeo compartilhado pela cantora no qual alguns médicos apontam que a hidroxicloroquina pode curar a Covid-19. Segundo estudos, o medicamento não é considerado um tratamento eficaz contra o vírus.

“A verdade irá nos libertar! Mas algumas pessoas não querem ouvir a verdade. Principalmente pessoas no poder que só querem ganhar dinheiro com essa demorada busca pela vacina, que já foi comprovada e está disponível há meses. Eles preferem deixar o medo controlá-los e deixar os ricos mais ricos enquanto os pobres e doentes ficam mais doentes”, escreveu Madonna na publicação, onde ainda cita que a médica Stella Immanuel, que aparece no vídeo, é “sua heroína”.

Além de notificar o post como falso, a plataforma incluiu um link que direciona os usuários a uma página que desmembra as reivindicações citadas no vídeo e explica que ainda não há vacina contra o coronavírus.

Após a notificação sobre fake news, o conteúdo foi retirado da página da cantora.

Na segunda-feira (27), o mesmo vídeo já havia sido removido da conta do Twitter de Donald Trump. O presidente americano ficou banido temporariamente da plataforma. Um representante do Twitter disse à CNN que a ação foi tomada “de acordo com” a política de desinformação do coronavírus.

Em maio, Madonna revelou em seu Instagram que ter sido contaminada com a doença durante sua última turnê em Paris, entre o final de fevereiro e o começo de março. “Não estou doente neste momento”, escreveu a cantora de 61 anos.

“Quando você testa positivo para anticorpos isso quer dizer que você teve o vírus, como eu claramente tive quando fiquei doente no final de minha turnê em Paris há sete semanas”, reiterou em seu post no Instagram, onde tem mais de 15 milhões de seguidores.